31 de outubro de 2018
A alopecia cicatricial é uma condição que destrói permanente o folículo piloso, deixando uma cicatriz e fibrose no couro cabeludo. Saiba mais nesse artigo.

Alopecia cicatricial: saiba tudo sobre

A alopecia cicatricial é uma condição médica que destrói permanente o folículo piloso, deixando uma cicatriz e fibrose (aumento de fibras em um tecido) no couro cabeludo. Esse tipo de alopecia possui inúmeras causas, como infecções bacterianas e  fúngicas, além de doenças como o lúpus eritematoso, o líquen plano e a esclerodermia, e acidentes, como queimaduras. É uma doença que pode atingir homens e mulheres a partir dos 20 anos e, por isso, precisa de atenção de todos. A alopecia cicatrical pode acontecer de dois modos. No primeiro, o folículo piloso é o principal alvo do processo patológico dessa doença. As causas podem ser processos congênitos, autoimunes, inflamatórios ou infecciosos. Já no segundo, a doença acontece fora da unidade folicular, sendo os fios atingidos como uma ação secundária. Pode ser causada por ações externas, como queimaduras, uso inadequado de produtos químicos, traumas e micoses, além de tumores e genodermatoses, que são doenças da pele causadas por fatores genéticos. Para evitar que grandes áreas do couro cabeludo sejam atingidas pela alopecia cicatricial, é preciso um diagnóstico precoce. Quanto antes você procurar ajuda de um médico especialista, mais chances tem de reverter esse quadro. Quando a doença está avançada, a perda de cabelo pode ser irreversível. Caso você esteja com queda de cabelo maior que o normal, além de coceira e vermelhidão no couro cabeludo, deve procurar um especialista imediatamente. Você passará por uma avaliação clínica para que o seu médico identifique o seu tipo de alopecia e oriente o melhor tratamento para o seu caso. Exames como tricologia podem ser solicitados. […]
10 de outubro de 2018

Calvície e autoestima

A calvície provoca menos impacto estético e social no homem do que na mulher. Nem por isso, a perda de cabelo deixa de ser motivo de ansiedade e insatisfação com a autoimagem no paciente masculino. Por isso, torna-se cada vez mais frequente a procura por tratamentos que ofereçam bons resultados e que sejam duradouros. O transplante capilar tornou-se um potente aliado no tratamento da calvície avançada, ou quando a terapia realizada com medicamentos já não oferece mais um resultado satisfatório.
28 de agosto de 2018
Os tipos mais comuns de alopecia jorio santana

Os tipos mais comuns de alopecia

Normalmente perdemos de 50 a 120 fios de cabelo por dia, fios estes que são renovados posteriormente. À medida que envelhecemos, esse processo de renovação pode ficar mais lento, fazendo com que a queda dos fios se torne mais evidente com a menor quantidade de cabelo no couro cabeludo. Existem algumas características específicas que determinam os tipos de calvície.
05 de julho de 2018
Calvície e Transplante Capilar

E-book Calvície e Transplante Capilar

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), cerca de metade dos homens até 50 anos são afetados pela calvície (alopécia androgenética). Como é possível perceber pelos dados da OMS, a calvície é muito comum e acomete homens e mulheres. Mesmo tendo grande incidência, a calvície é alvo de muitas dúvidas, mas há pouco conteúdo disponível para elucidar os questionamentos. Por isso fiz um e-book exclusivo onde respondo todas as principais perguntas sobre calvície e transplante capilar!
21 de março de 2018

Crescimento do cabelo é impactado pela calvície?

O ciclo dos fios é dividido em três fases: crescimento do cabelo, repouso e queda. Na fase anágena (de crescimento do cabelo), o fio cresce continuamente a partir da matriz. Na fase catágena (repouso), a matriz para de crescer, marcando a transição para a fase de repouso. A fase telógena (queda) marca o período de queda do fio, podendo durar entre 2 a 4 meses, quando a produção do fio é reiniciada, renovando a primeira fase do ciclo.
07 de março de 2018

Transplante capilar para correção de falhas e cicatrizes

É frequente a procura pela melhora estética com auxílio do transplante capilar. Até a década de 1990, as cirurgias para correção da calvície eram realizadas pelo uso de técnicas e instrumentos que não produziam resultados naturais, com um pós-operatório desconfortável e muitas vezes doloroso.