14 de janeiro de 2019
A psoríase é uma doença de pele autoimune não contagiosa, caracterizada por lesões avermelhadas e descamáveis. Saiba mais sobre a doença, no artigo de hoje.

Psoríase: Causas, tipos, sintomas e tratamentos

A psoríase é uma doença de pele autoimune não contagiosa e muito comum, caracterizada por lesões avermelhadas e descamáveis na pele. É uma doença clínica de causa desconhecida, mas sabe-se que pode estar relacionada ao sistema imunológico, à suscetibilidade genética e às interações com o ambiente. Acredita-se que a psoríase se desenvolve quando as células responsáveis pela defesa do organismo, os chamados linfócitos T, liberam substâncias inflamatórias e formadoras de vasos. Com isso, respostas imunológicas dilatam os vasos sanguíneos e infiltram a  pele com células de defesa chamadas neutrófilos. Como as células da pele estão sendo atacadas, sua produção também aumenta, levando a uma rapidez do seu ciclo evolutivo, com consequente produção de escamas devido à imaturidade das células. Esse ciclo faz com que ambas as células mortas não consigam ser eliminadas eficientemente, formando manchas espessas e escamosas na pele. Confira agora os tipos de psoríase e suas formas de tratamento: 1) Psoríase gutata: Geralmente é provocada por infecções bacterianas, como as de garganta. Caracteriza-se por pequenas feridas em formas de gota nos troncos, braços, pernas e couro cabeludo. As feridas são cobertas por uma fina escama e costuma acometer mais crianças e jovens antes dos 30 anos de idade. 2) Psoríase ungueal: Afeta as unhas dos pés e das mãos. Faz com que a unha cresça de forma anormal, engrosse, escame, mude de dor e se deforme. Em alguns casos, a unha chega a descolar do leito ungueal. 3) Psoríase do couro cabeludo: Surgem áreas avermelhadas com espessas branco-prateada. Assemelha-se à caspa e o paciente pode perceber os flocos […]
17 de dezembro de 2018
A técnica FUE permite a realização do transplante capilar realizando a  incisão ao redor do folículo deixando uma cicatriz puntiforme.

Entenda tudo sobre a técnica FUE

A técnica FUE (Extração das Unidades Foliculares, em Português) permite a realização do transplante capilar realizando a  incisão ao redor do folículo deixando uma cicatriz puntiforme. Utilizamos o método onde esse procedimento é feito manualmente com qualidade e segurança para o paciente. Por esse motivo, no artigo de hoje, explicarei detalhadamente a técnica FUE manual, suas vantagens e para quem é indicado. Entenda o procedimento utilizado na técnica FUE: A técnica FUE trata-se de uma cirurgia de transplante capilar de unidades foliculares, sendo  indicada para a solução da calvície. A área doadora é totalmente raspada para que possa ser realizada a extração das unidades foliculares. Primeiro, é realizada a anestesia local na área doadora , de onde serão retiradas as unidades foliculares com os cabelos que são menos propensos à queda de cabelo. Depois é realizada a extração de unidades foliculares através dos denominados “punchs”, instrumentos milimétricos com bordas cilíndricas cortantes de 0.8 a 0,9 mm de diâmetro. Após o corte, as unidades foliculares são extraídas do couro cabeludo com o auxílio de pinças, delicadamente. A quantidade extraída varia de paciente para paciente, conforme a densidade da zona doadora e a quantidade necessária para cobertura da zona calva. Após sua extração, as unidades foliculares são armazenadas em uma solução própria para a manutenção da vitalidade dos folículos. Inicia-se, então, a preparação das unidades foliculares com o auxílio de um microscópio estereoscópico, fundamental para o sucesso do transplante capilar. Na técnica FUE, as unidades foliculares devem permanecer hidratadas e em temperatura ideal até o momento da colocação nas zonas que receberão […]
10 de dezembro de 2018
Neste mês, é realizada a campanha de Dezembro Laranja, para a prevenção aos cânceres de pele.Veja, no artigo de hoje, como detectar qualquer irregularidade.

Diferença entre os cânceres de pele e como preveni-los

Neste mês, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) realiza a campanha de Dezembro Laranja, para a prevenção aos cânceres de pele. Conhecer bem sua pele e saber em quais regiões existem pintas, faz toda a diferença na hora de detectar qualquer irregularidade.   Confira agora os tipos de cânceres de pele e como preveni-los:   1) Carcinoma basocelular (CBC): É o mais predominante dentre todos os tipos de cânceres de pele. O CBC surge nas células basais, que se encontram na camada mais profunda da epiderme. Possui baixa letalidade e pode ser curado, se detectado precocemente. Os CBCs surgem com maior frequência em regiões expostas ao sol, como face, orelhas, pescoço, costas e couro cabeludo. Podem se desenvolver também nas áreas não expostas, ainda que mais raramente. Em alguns casos, além da exposição ao sol, há outros fatores que desencadeiam seu surgimento. Certas manifestações do CBC podem se assemelhar a lesões não cancerígenas, como eczema ou a psoríase. O tipo mais encontrado é o CBC nódulo-ulcerativo, que uma pápula vermelha, brilhosa, com uma crosta central, que pode sangrar com facilidade. 2) Carcinoma Espinocelular (CEC): É o segundo mais predominante dentre todos os tipos de câncer. Se manifestam em células escamosas, que constituem a maior parte das camadas superiores da pele. Pode se desenvolver em todas as partes do corpo, embora seja mais comum nas áreas expostas ao sol. Normalmente, a pele nessas regiões apresenta sinais de dano solar, como enrugamento, mudanças na pigmentação e perda de elasticidade. O CEC é duas vezes mais frequente em homens do que em mulheres. […]
23 de novembro de 2018
Na semana do Dia do Homem, veja dicas importantes de cuidados com a pele e os cabelos masculinos, e como evitar problemas capilares.

Problemas capilares comuns entre os homens

Nesta semana, comemoramos o Dia do Homem. Aproveito a data para trazer dicas importantes de cuidados com a pele e os cabelos masculinos. Apesar dos homens serem deixados mais de lado quando o assunto é dermatologia, esse público está cada vez mais preocupado com a sua saúde e estética. Essa preocupação inclui os fios. Por essa razão, no artigo de hoje, explico quais são os problemas capilares mais comuns entre os homens. 1) Alopecia Androgenética: Apesar de também poder atingir as mulheres, a alopecia androgenética possui maior incidência entre os homens. Popularmente conhecida como calvície, essa doença causa o afinamento dos fios até sua total perda. Sua principal causa, como o nome já explica, é derivada de fatores genéticos. O fato de atingir mais os homens está ligado aos hormônios masculinos. Entre os tratamentos mais indicados estão uso de soluções cosméticas, tratamento clínico e transplante capilar, que oferece resultados naturais e duradouros. 2) Dermatite Seborreica: Popularmente conhecida como caspa, a dermatite seborreica acontece graças a um aumento da produção das glândulas sebáceas que tem, como consequência, a formação das casquinhas brancas e descamativas no couro cabeludo. É um problema que causa coceira, vermelhidão, irritação e feridas. Costuma atingir mais os homens devido a fatores hormonais como a testosterona. O tratamento mais indicado é com uso de shampoos adstringentes, que controlam a produção de sebo. Em casos mais severos, seu médico dermatologista pode indicar o uso de probióticos orais e corticoides tópicos. 3) Foliculite: A foliculite é um problema que causa uma inflamação aguda ou crônica dos folículos pilosos. Pode atingir […]
12 de novembro de 2018
Quem tem couro cabeludo sensível tende a sofrer com algumas situações, tornando-se fundamental tomar alguns cuidados. Saiba mais nesse artigo.

Couro cabeludo sensível: quatro fatores que agravam o quadro

Quem tem couro cabeludo sensível tende a sofrer com algumas situações. É preciso evitar produtos com substâncias que podem causar alergia ou alguns procedimentos químicos mais agressivos. Caso contrário, o paciente pode sofrer com coceira, vermelhidão, ardência, ressecamento, dor, descamação e até queda de cabelo. Para evitar esses sintomas, é fundamental tomar alguns cuidados, inclusive evitando alguns fatores que podem agravar o quadro. Confira agora quatro dessas causas que podem deixar o couro cabeludo sensível. 1) Estresse: Períodos de estresse podem causar inúmeras alterações na pele e nos cabelos, como aumento de oleosidade, o que pode levar ao surgimento de caspa no couro cabeludo. Esse agravamento da dermatite seborréica pode deixar a região irritada, devido à descamação, coceira e vermelhidão. Com esses sintomas, o couro cabeludo fica mais sensível.   2) Lavar os cabelos mais do que o indicado: O número de vezes em que o paciente lava seus cabelos pode ser responsável por diversas alterações nos fios e no couro cabeludo. Aumento de oleosidade ou de ressecamento, por exemplo, podem deixar a região mais sensível, incluindo sintomas como coceira, irritação, descamação e vermelhidão. Banhos com água quente também devem ser evitados.   3) Usar produtos com agentes agressivos: Quem sofre com couro cabeludo ou pele sensível deve ficar atento aos componentes dos produtos. Shampoos com sulfato, condicionadores com silicones e produtos com parabenos, álcool e fragrâncias devem ser evitados, já que podem deixar o couro cabeludo mais sensível.   4) Realizar procedimentos químicos: Procedimentos como escova progressiva, relaxamentos dos cachos e tinturas podem deixar o couro cabeludo mais sensibilizado, […]
31 de outubro de 2018
A alopecia cicatricial é uma condição que destrói permanente o folículo piloso, deixando uma cicatriz e fibrose no couro cabeludo. Saiba mais nesse artigo.

Alopecia cicatricial: saiba tudo sobre

A alopecia cicatricial é uma condição médica que destrói permanente o folículo piloso, deixando uma cicatriz e fibrose (aumento de fibras em um tecido) no couro cabeludo. Esse tipo de alopecia possui inúmeras causas, como infecções bacterianas e  fúngicas, além de doenças como o lúpus eritematoso, o líquen plano e a esclerodermia, e acidentes, como queimaduras. É uma doença que pode atingir homens e mulheres a partir dos 20 anos e, por isso, precisa de atenção de todos. A alopecia cicatrical pode acontecer de dois modos. No primeiro, o folículo piloso é o principal alvo do processo patológico dessa doença. As causas podem ser processos congênitos, autoimunes, inflamatórios ou infecciosos. Já no segundo, a doença acontece fora da unidade folicular, sendo os fios atingidos como uma ação secundária. Pode ser causada por ações externas, como queimaduras, uso inadequado de produtos químicos, traumas e micoses, além de tumores e genodermatoses, que são doenças da pele causadas por fatores genéticos. Para evitar que grandes áreas do couro cabeludo sejam atingidas pela alopecia cicatricial, é preciso um diagnóstico precoce. Quanto antes você procurar ajuda de um médico especialista, mais chances tem de reverter esse quadro. Quando a doença está avançada, a perda de cabelo pode ser irreversível. Caso você esteja com queda de cabelo maior que o normal, além de coceira e vermelhidão no couro cabeludo, deve procurar um especialista imediatamente. Você passará por uma avaliação clínica para que o seu médico identifique o seu tipo de alopecia e oriente o melhor tratamento para o seu caso. Exames como tricologia podem ser solicitados. […]